San Blas: o paraíso escondido no Panamá

3
542

Pensa num lugar paradisíaco, sem estrutura, que o homem ainda não destruiu e que, toda sua gestão, ainda é feita pelos índios? Pensou? Então, agora coloque pitadas de areias brancas, mar de cinquenta tons de azul, ilhas inabitadas e uma conexão absurda com a natureza. Pronto, você chegou em San Blas!

San Blas é um arquipélago formado por 365 ilhas. Sim! Uma ilha pra cada dia do ano. Apenas de 49 a 55 ilhas são habitadas e algumas, que não são turísticas, chegam a ter 2 mil moradores, com escola, mercadinhos e etc. O arquipélago, que fica dentro da Comarca Kuna Yala – uma região indígena autônoma – é totalmente comandado pelos índios e não pelo Governo do Panamá.

  1. Motivos para conhecer San Blas

Quando decidimos por este local, estávamos procurando algo totalmente diferente dos destinos que estávamos acostumados a ir. Algo que tirasse a gente totalmente da nossa zona de conforto e que nos colocasse sob uma perspectiva de viagem inusitada. Foi quando começamos a ler sobre San Blas. Lá nós encontraríamos um paraíso de ilhas e mar estilo caribenho, com poucos turistas e sem muita estrutura.

O fato de não ter estrutura nos chamou ainda mais atenção, pois sabíamos que assim teríamos um refúgio, sem internet, eletricidade e nos conectaríamos totalmente um com o outro e com a natureza! Uma coisa nós garantimos: vocês vão ficar chocados e maravilhados ao final desse post.

TRIPdica: se seu intuito for como o nosso, escolha uma ilha mais afastada, com pouca estrutura mesmo. Pois as ilhas mais próximas ao vilarejo do porto, já possuem eletricidade o dia inteiro, dormitórios de cimento, conectividade e etc. Por outro lado, ficam sempre mais cheias.

  1. Quando ir a San Blas

A menor incidência de chuvas ocorre de Dezembro a Janeiro. Por ser um destino basicamente praiano, consideramos esta a melhor época para viajar. Mesmo indo nesta data, você pode pegar alguma chuva, porém são passageiras. Nós fomos no final de fevereiro para inicio de março de 2019, durante o carnaval no Brasil e pegamos alguma chuvinha, mas nada que atrapalhasse nossa experiência.

O clima de San Blas, basicamente, é ótimo. Localizado na zona tropical do mapa e fora da rota dos furacões, mantém temperaturas estáveis o ano todo. A temperatura do mar se mantém entre 26°C e 29°C, o que não é quente nem gelado e dá pra relaxar bastante em suas águas mais que convidativas.

A noite é fresco e é importante levar um casaquinho. Lembre-se que você estará no meio do nada, numa ilha minúscula e, consequentemente, venta muito. Prepare-se para ver um céu lindo e estrelado.

  • Como chegar em San Blás (dica especial de stopover)

Nosso destino final, na verdade, seria Cancun. Como utilizei minhas milhas TAP (programa Miles&GO) para emitir essa passagem, poderíamos fazer uma parada intermediária (stopover) entre os destinos, sem nenhum custo adicional para isso! Então, fizemos inicialmente a rota GRU x PTY, em vôo direto, pela Copa Airlines. Depois de 4 dias, continuamos a viagem fazendo PTY x CUN.

Vamos dividir em duas partes:

  • Chegando na Cidade do Panamá

Nosso destino final, na verdade, seria Cancun. Como utilizei minhas milhas TAP (programa Miles&GO) para emitir essa passagem, poderíamos fazer uma parada intermediária (stopover) entre os destinos, sem nenhum custo adicional para isso! Então, fizemos inicialmente a rota GRU x PTY, em vôo direto, pela Copa Airlines. Depois de 4 dias, continuamos a viagem fazendo PTY x CUN.

  • Chegando em San Blás

Você pode ir por conta própria, alugando um carro, ou contratando uma empresa. Em nosso caso, contratamos uma empresa, pois achamos mais seguro e, como o destino já era difícil de chegar, preferimos evitar qualquer perrengue. Sim, chegar a San Blas não é tão simples, mas todo paraíso tem seu preço, né?

As empresas passam em seu hotel bem cedinho, entre 5h a 6h, para iniciar a jornada.

  • Carro 4×4.

São duas estradas. Primeiro uma rodovia, que é super de boa. Depois (e a parte mais longa) começa uma estrada bem sinuosa. Tão sinuosa que a Mari passou mal, rs. Se você passa mal com facilidade, leve um remédio. Mascar chiclete também pode ser uma boa opção. Você também pode avisar ao seu motorista, que aí ele terá mais cautela nas curvas. Chegando em San Blas, você passará por uma inspeção de passaporte e terá que pagar uma taxa. Se você tiver com uma empresa, eles resolvem tudo pra você sem burocracia. Havia uma fila grande de carro no nosso dia, mas foi rápido. No total, são 2h30m de viagem.

  • Barco

Chegando em San Blas, você chega, na verdade, num pequeno vilarejo, uma espécie de porto. É dali que saem os barcos para cada ilha. Se você foi com empresa, seu motorista já te deixa exatamente com seu barqueiro. O tempo do barco depende da ilha que você vai ficar, podendo variar de 20 min (as ilhas mais próximas) a mais de 1h (ilhas mais afastadas).

  1. Quanto tempo ficar em San Blas

Nossa resposta é: depende.

Apesar de toda dificuldade pra chegar em San Blas, é possível fazer um bate-volta. Normalmente, esse passeio engloba as ilhas mais próximas. Uma delas é famosa por lá: Perro Chico. Você chegará pela manhã vai embora no fim da tarde.

Se você quer relaxar, viver a experiência de dormir numa cabana de bambu, com o chão de areia e teto de sapê. Se você quer dormir numa ilhota minúscula, ouvindo o mar, os pássaros e, possivelmente, receber a visita inusitada de algum bichinho em seu dormitório a noite. Se você quer explorar as ilhas ao redor (lembra que são 365?): recomendamos que você fique mais tempo!

Passamos 2 dias e 2 noites lá, e fomos embora na manhã do terceiro dia. Nesse tempo, deu pra relaxar e fazer passeios incríveis, que contaremos nos próximos tópicos.

  • Onde se hospedar em San Blas

Não há hotéis, resorts, nada semelhante a isso. Aqui o seu local de hospedagem será sua ilha! Ela é o nome que você precisa falar pra quando quiser se comunicar com barqueiros e etc. As ilhas mais famosas possuem um “gerente”, que falam inglês e espanhol, que estará no barco que vai te trazer pra acomodação e que também fará seu check-in. Aqui falaremos especificamente da ilha que ficamos: Isla Franklin.

A Isla Franklin tinha tudo aquilo que já falamos no tópico 1 desse post, além de ter um mar lindo! Quando estávamos procurando em qual ilha se hospedar, tivemos amor a primeira vista com a Franklin. E não erramos em nada! Foi tudo perfeito. O trajeto de barco levou, em média, 45 minutos.

Escolhemos uma cabana privativa. Mas também há opções de dormitórios, que você divide com outros viajantes. Você tem direito a 3 refeições inclusas no valor da cabana: café da manhã, almoço e janta. Água quente também é liberado.

 

  • 5.1 Estrutura da cabana:
  • É literalmente uma cabana de bambu, teto de sapê e chão de areia.
  • Possui cama, colchão, travesseiro e roupa de cama.
  • 5.2 Alimentação:

As refeições são simples, afinal você está em uma ilha no meio do nada, com pouquíssima estrutura. Por outro lado, tudo é fresquinho! Você vai comer no almoço o peixe que acabou de ser pescado.

  • Café da manhã: normalmente é um pão típico deles, ovos, queijo e alguma fruta. Café e chá.
  • Almoço e jantar: arroz de coco ou arroz colorido, salada e peixe ou frango.

Água quente é liberado, caso você queira fazer algum chá/café ou tenha levado industrializados (cup noodles, por exemplo).

  • 5.3 Estrutura da ilha:
  • Área central coberta com mesões de madeira e bancos, onde é servido as refeições.
  • Bar, onde você pode comprar água, suco, cerveja e alguns snacks.
  • Área de recreação com rede de vôlei e cesta de basquete.
  • Banheiro comunitário de cimento, sanitário e água encanada.
  • Cabines de chuveiro individuais.
  • Não há internet nem eletricidade.
  • Eles ligam a energia somente a noite, durante umas 2 ou 3 horas, que é o tempo de você conseguir carregar alguns eletrônicos.

Por mais que pareça estranho, acreditem, tudo dá certo! É incrível. A gente volta a resgatar lembranças e valores que até já tínhamos perdido no meio desse nosso mundo tão agitado.

  • O que fazer / roteiro em San Blas

Dia 01: curtir a nossa ilha

Logo após fazer o check-in, a única coisa que queríamos era correr pra guardar as malas de cair naquele marzão que estava diante dos nossos olhos! Nos refrescamos na água, vimos estrela do mar, cochilamos debaixo do coqueiro, rodamos a ilha (o que não levou 5 minutos, de tão incrivelmente pequena e aconchegante que ela é) e claro, tiramos muitas fotos e produzimos muito conteúdo. Além disso, assistimos um dos pores do sol mais lindos da nossa vida.

À noite, depois do jantar, tem uma baladinha cultural do local, que consiste em sentarmos numa mesa grande, os Kunas ligam a música, rodam uma garrafa de rum e ficamos lá nos conhecendo, trocando experiência. Havia hóspedes da Alemanha, Israel, Estados Unidos, Inglaterra, Itália e República Tcheca. Que experiência!

Dia 02: explorar diferentes ilhas

DCIM\102GOPRO\G0478169.JPG

No segundo dia, além de aproveitar mais nossa ilha (sim, já estávamos tão íntimos que podemos chamar de nossa), fizemos um passeio que saiu logo após o almoço e voltou no fim da tarde. O passeio custou 20 dólares por pessoa e você paga diretamente ao Kuna responsável.

  • Isla Perro Chico: tem muito mais estrutura, algumas casas de cimento, é bem maior e é linda. Tem um navio naufragado lá com muita vida marinha, ótimo para snorkel. É mais agitada, mais aglomerado de turistas, música, etc. Nos finais de semana, nos falaram que essa ilha tem altas baladas!
  • Piscinais Naturales: são bancos de areia em alto mar, águas cristalinas e muitas estrelas do mar. A gente vê muita foto na internet das pessoas pegando as estrelas. Não façam isso, você pode matá-la, mesmo que sem intenção!
  • Isla Fragata: indescritível! Pequenininha e dona de uma beleza surreal. E acreditem, tinham 5 cachorros vivendo com uma família lá. E na ilha só existia essa única família! Pensa no quão privilegiados?
  1. TRIPdicas especiais para esta viagem ser inesquecível

Sabe aquelas diquinhas matadoras que todo mundo deveria saber, mas que nem sempre você encontra com facilidade por ai? Então, lá vai:

  • Procure uma agência privada e evite perrengue. Eles te pegam no hotel e te deixam no hotel. A estrada não é simples, há burocracia na imigração, etc. Nós fechamos com a agência San Blas Trip.
  • Leve snacks, frutas, alimentos fáceis de fazer caso dê fome, como por exemplo miojo, cup noodles, chá, cappuccino em pó, etc. Leve água mineral também. Na ilha são 3 refeições diárias. Fora disso é com você.
  • Só roupa de praia! Só! Lá é pé no chão, areia e etc. Até nas baladinhas, é tudo roupa de praia. Zero sapato, só chinelo ou descalço. Leve um moletom pra noite porque pode fazer frio.
  • Visite a Isla Fragata e me agradeça depois. É uma ilha com 2 cabanas apenas de Kunas, um banco de areia grande com água rasinha e branca e uma segunda ilha particular anexa. Ela não é conhecida e nem famosa, então dificilmente alguém vai te falar dela.
  • Se você quer sossego: não vá no FDS! Até mesmo as ilhas menos conhecidas (como a nossa: Isla Franklin), está enchendo e todo aquele sossego e privacidade de uma ilha minúscula se vai. Relato de um colega brasileiro que ficou lá FDS que viemos embora.
  • Leve repelente, você pode precisar. Leve carregador externo pra carregar seus eletrônicos e garantir as fotos e vídeos da sua experiência.
  • Recomendamos levar lençol e fronha. Lá eles disponibilizam, mas não estava limpinho como de um hotel convencional. Leve também toalha de secagem rápida.
  • Dólares! Sim, é a moeda turística do arquipélago. Leve o papel. Nem preciso dizer que lá não passa cartão, né? rs.
  • Valores em San Blas
  • O pacote da agência San Blas Trip custa USD170,00 a diária pro casal em cabana privativa na Isla Franklin, incluso transfer hotel x ilha x hotel, barco ida-volta pra ilha, 3 refeições diárias e taxas de entrada na Kuna Yala.
  • Pra fazer tour pra outras ilhas, varia de USD10,00 a USD20,00, dependendo da distância que vão percorrer.
  • Bebidas tipo cerveja, água e suco: USD1,50 a USD2,00.
  • Aluguel de equipamento de snorkel: USD3,00 a USD5,00.
  • Refeição de lagosta (não incluso nas 3 refeições diárias): USD14,00.

Se vocês gostaram de San Blás e quiserem ver ainda mais detalhes de lá, em nosso instagram (@tripaholics) nós criamos um destaque “San Blas” com muitas fotos e vídeos, além de várias postagens no feed.

  •  
Avalie o Post

3 comments

  1. Selma De Paula 28 June, 2019 at 13:18 Reply

    Maravilha de Deus, tão bem descrito que parece que estamos lá também ❤️😘😘

    Avalie o Comentario
  2. Kevenin 28 June, 2019 at 20:06 Reply

    Eu adorei o post ♥️ Muito detalhadinho e completo pra quem tá super afim de conhecer San Blas feito eu!

    Esse lugar é um paraíso ✨😍

    Avalie o Comentario

Leave a reply